Vacinas

As vacinas têm papel importante na prevenção de doenças infecciosas. A administração uma vacina deve ser primariamente fundamentada no benefício direto para saúde do indivíduo, o que habitualmente também contribui, direta ou indiretamente, para a proteção da população. A administração deve ser feita com cuidados técnicos que possam garantir segurança e eficácia. Além disto, o ato de receber uma vacina deve ser consciente. É importante que o indivíduo (ou o responsável, no caso de crianças) seja informado dos benefícios esperados e também da possibilidade, mesmo que pequena, da ocorrência de um evento adverso.

Na consulta pré-viagem é necessário, além da atualização do Calendário Vacinal (crianças, adolescentes e adultos), avaliar a necessidade de imunizações complementares. O planejamento é individual, uma vez que deve ser levado em consideração a história clínica e vacinal do viajante, e não somente os riscos relacionados à viagem. As vacinas são indicadas para as pessoas, não para os lugares. Em nenhuma hipótese as vacinas devem ser indicadas apenas devido aos riscos existentes em um lugar. Além disto, a indicação de vacinas não exime o viajante de adotar outras medidas de proteção (como cuidados com consumo de água e de alimentos, a utilização de repelentes e mosquiteiros, uso de preservativos etc). As vacinas, embora possam ser muito eficazes, não são isentas de efeitos colaterais e de falhas e nem estão disponíveis para todas as doenças.

As vacinas podem conferir imunidade de longa duração (como a do sarampo ou a da febre amarela) ou por apenas alguns anos (como a da febre tifóide e as antimeningocócicas polissacarídicas). As vacinas necessárias devem ser aplicadas com antecedência para que produzam efeito protetor adequado (para algumas, como a da hepatite A, é necessário mais de uma dose). Para a maioria das doenças infecciosas (como a malária ou a doença de Chagas) ainda não existem vacinas eficazes.

As vacinas exigidas, em geral, visam a proteção da população de um país e não necessariamente a do viajante. As vacinas recomendadas visam a proteção do viajante. Nem sempre as vacinas recomendadas e as exigidas são as mesmas. As exigências em relação às vacinas podem variar de um país para outro e também ao longo do tempo. Antes de viajar, estas exigências devem ser sempre verificadas nas embaixadas ou consulados.

Sempre consulte as vacinas exigidas para cada pais.

Para maiores informações acesse http://www.cives.ufrj.br/